A aluna Júlia Maria Rosa Santos Ferreira, de 11 anos, surpreendeu a todos com a redação "Os grupos de palavras", na qual conseguiu usar todos os 88 vocábulos da classe dr/fr na construção de texto.

O desempenho da aluna do 5º ano do ensino fundamental foi devido, após diagnóstico realizado pela equipe da Secretaria Municipal de Educação (Semed), à formação em sequência didática dos docentes, com foco na ortografia.

A aplicabilidade em sala de aula começou há alguns meses e já rendeu frutos, como se verifica, a partir dos resultados positivos como o alcançado pela estudante da Escola Municipal Judith Abreu de Oliveira e de demais alunos das escolas municipais.

 Nessa instituição de ensino, de fevereiro a outubro, os índices das turmas saltaram 52% na leitura. Já na ortografia, o rendimento dos alunos, de abril a outubro, foi de 57,4%.

 

Na contramão dos dados da alfabetização nacional

Esse índice vai em desencontro aos demonstrados pelo Ministério da Educação. Segundo a terceira edição da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), realizada entre 14 e 25 de novembro de 2016, em que o movimento Todos Pela Educação analisou os dados do Brasil, se o país continuar no atual ritmo de aprendizado dos alunos, serão necessários 76 anos para que todos os estudantes sejam considerados proficientes em leitura ao final do 3º ano do ensino fundamental.

Os baixos índices registrados fez com que o MEC lançasse, em novembro, a Política Nacional de Alfabetização. Trata-se de um conjunto de iniciativas que envolvem a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a formação de professores, o protagonismo das redes e o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD).

Também será criado o Programa Mais Alfabetização, que deve atender, a partir de 2018, 4,6 milhões de alunos com a presença de assistentes de alfabetização, que trabalharão em conjunto com os professores em sala de aula. A expectativa é contar com 200 mil turmas em todos os municípios brasileiros, entre o primeiro e o segundo ano do ensino fundamental. O investimento será de R$ 523 milhões em 2018.